Valorizando vidas, preservando o planeta

Como Funciona

O Processo


Com um plano de sustentabilidade, sua empresa pode aderir ao programa Brasil Mata Viva

A operação conjunta com o produtor rural via BMV, insere a atividade rural no seu negocio, garantindo os benefícios tributários da atividade rural de conservação de florestas

  1. O BMV faz o diagnostico das necessidades de compensação da empresa
  2. O BMV disponibiliza créditos de floresta para a empresa fazer a compensação ambiental
  3. O BMV cria a politica de sustentabilidade da empresa
  4. O BMV elabora os projetos técnicos
  5. O BMV da orientação no planejamento tributário do uso de credito de floresta

 

A Legislação

A legislação brasileira permite amortizar 100% do investimento em Florestas como despesa dedutível da base de calculo do IR e da CSSL.

O amparo legal esta na lei n° 8.023, de 1990, na instrução normativa da receita federal (IN SRF n° 257, de 2002) e no regulamento do imposto de renda (RIR/1999).

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 257

 

Resultado da Operação conjunta para sua empresa

Cada hectare gera aproximadamente 800 créditos floresta

Cada 100.000 créditos floresta representam R$ 7.760.000,00

Ganhos de até 750.000,00 (modelo de negocio da empresa - pode alterar o resultado final)

Nesse ganho já está computado o investimento de parte dos resultados finais, no projeto de sustentabilidade.

 

Ciclo da sustentabilidade

A preservação da floresta, no modelo BMV, é um ciclo completo de desenvolvimento sustentável.

Protege e gera novas riquezas

Os recursos destinados ao produtor servem pra remunerar a atividade de conservação e proteção de floresta, o desenvolvimento das comunidades rurais e de bases sustentáveis e para as cadeias produtivas regionais

Benefícios com a proteção de florestas

  • Garantia de alimentos
  • Garantia de agua potável
  • Garantia de recursos genéticos medicinais
  • Regulação de sequestro e emissões evitadas de carbono
  • Influencia na qualidade do ar
  • Regulação climática e moderação de eventos extremos
  • Prevenção da erosão e manutenção da fertilidade do solo
  • Garantia de espaços de pesquisa e educação
  • Garantia de habitat para as espécies
  • Garantia de diversidade genética
  • Desenvolvimento das cadeias produtivas regionais
  • E tudo o que vem de benefícios nessas cadeias

Início

Diretrizes de Sustentabilidade


Social

Incremento da Renda e Geração de Empregos e Fixação do Homem no Campo.

  • Redução da desigualdade entre os padrões de vida.
  • Melhorar o acesso à renda e o atendimento às necessidades materiais e imateriais.
  • Busca por processos de produção que mantenham e respeitem as raízes e as particularidades de cada cultura e região.

 

      social social social3

       

      Ambiental

       

      Proteção e Conservação dos Biomas Florestais.
      • Priorização do uso de recursos naturais renováveis.
      • Pesquisa e desenvolvimento na utilização de tecnologias de desenvolvimento limpo.
      • Conservação e reciclagem de recursos e energia.
      • Proteção efetiva dos interesses ambientais, seguindo as premissas legais.
      • Educação ambiental.
                 ambiental  ambiental  ambiental

                 

                Economico

                 

                Arranjos Produtivos Focados e Novos Modelos de Negócio.
                • Alocação e gestão de recursos de forma eficiente, macro-social e não micro-empresarial.
                • Sistemas de produção seguros e com padrão estabelecido, com maior fluxo de investimentos e alocação de recursos direcionados ao desenvolvimento regional.
                     produção  produção  produção

                    Início

                    Ciclo do Programa BMV


                      

                    Atores do Programa

                    Ciclo Credito

                    Ciclo do Crédito

                    Ciclo Credito

                    Início

                    Terceiras Partes

                    Terceiras Partes Internacionais

                    As auditorias internacionais são efetuados com a finalidade de Certificação e Verificação de Processos e Projetos. O BMV Standard exige verificação dos relatórios de emissão dos créditos de sustentabilidade, além de auditorias internacionais para distribuição e aplicação dos recursos financeiros, e por fim como terceiras partes nos protocolos de certificação da produção. 

                    Outro importante papel das Terceiras Partes Internacionais é a competência para a dupla checagem de verificação, certificando os Créditos de Sustentabilidade determinados pela Metodologia do BMV Standard, que tem como referência o Carbono Equivalente (CO2eq), apresentados no Plano de Desenvolvimento Sustentável Brasil Mata Vida.

                    TÜV Rheinland

                    TUV

                    A TÜV Rheinland Group é um grupo líder no fornecimento de serviços técnicos em todo o mundo. Fundada em 1872 e sediada na cidade de Colônia na Alemanha, o Grupo emprega 16,000 pessoas em 500 localidades em 65 países. A missão do Grupo e o seu princípio orientador é o de alcançar o desenvolvimento sustentável com segurança e qualidade, a fim de enfrentar os desafios decorrentes da interação entre tecnologia, homem e meio ambiente.

                    A TUV Rheiland Brasil, subsidiária de um dos maiores grupos mundiais de certificação e inspeção, tem como princípio garantir a segurança e a qualidade de produtos, serviços e sistemas em diversas áreas, através do seu reconhecido padrão em auditorias, vistorias e certificação de processos padrão.

                    Terceiras Partes Nacionais

                    As auditorias nacionais são efetuadas com a finalidade de adequar os processos de desenvolvimento socioambiental e econômico com a realidade das comunidades de cada país que recebe o Padrão Brasil Mata Viva, adequando os projetos às suas reais necessidades e demandas. 

                    Outro importante papel das Terceiras Partes Nacionais é o de aproximar as atividades dos Núcleos de Programa BMV aos programas públicos locais e as iniciativas não governamentais, aumentando a interlocução entre os agentes e maximizando a capacidade de atuação dos projetos. 

                    Outro importante papel das Terceiras Partes Nacionais é formado pela sua responsabilidade na verificação da conformidade ambiental das áreas contempladas com projetos do Programa BMV. Cabe ainda  essas instituições a elaboração, aprovação, legalização e monitoramento do plano de exploração das áreas, submetidos na forma de termo de compromisso junto às autoridades ambientais locais, a exemplo do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

                    ICQBrasil –Instituto de Certificação Qualidade Brasil 

                    ICQBrasil

                    O Instituto de Certificação Qualidade Brasil é uma instituição sem fins lucrativos, criado em 1996 pelo Sistema Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG), em parceria com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), para atender os empresários interessados na cultura contínua da qualidade.

                    É um organismo de certificação acreditado pelo INMETRO para atuar com auditorias de terceira parte em SISTEMAS DE GESTÃO E PRODUTOS.



                    IDESA Brasil – Instituto de Desenvolvimento Econômico e Socioambiental 

                    IDESA

                    Fundado em 2002, O IDESA – Instituto para o Desenvolvimento Socioambiental, é uma entidade sem fins lucrativos que há 10 anos propões soluções sustentáveis para organismos públicos e instituições privadas ocasionando o melhoramento da qualidade de vida de toda a sociedade, tendo sido qualificada como OSCIP – Organização de Sociedade Civil de Interesse Publico, reconhecida pelo Ministério da Justiça desde o ano da sua fundação.

                    A equipe que compõe o IDESA reúne experiência relevante adquirida na atuação junto a várias empresas do setor público e privado, proporcionando através destes, pensamento estratégico para o gerenciamento dos recursos naturais assim como o desenvolvimento da economia nacional e internacional.

                    Terceiras Partes Academicas

                    As auditorias científicas são exigidas com a finalidade de validar ou certificar os projetos de desenvolvimento agrícola, projetos de produção pecuária, projetos de implantação de unidades industriais e de pós-produção, além dos projetos de estruturação e operacionalização dos negócios do Núcleo Produtivo.

                    Uma das primeiras auditorias por terceiras partes ocorre no modelo científico/acadêmico, com a validação dos relatórios efetuados para os levantamentos de estoques de biomassa das florestas nativas que terminam na sua quantificação correlata com os valores de carbono equivalente, e são convertidos para UCSVT BMV.

                     

                    FEPAF / UNESP

                    unesp

                    A Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais sediada na Faculdade de Ciências Agronômicas da UNESP – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” na Fazenda Experimental Lageado, e tem por objetivo principal apoiar programas de desenvolvimento econômico, social e ambiental; estabelecidos com a UNESP e outras instituições, por meio de sua principal ferramenta de trabalho que é a articulação.

                    Sua principal atividade é a administração de projetos de pesquisa realizados por equipes de docentes da FCA e de outras instituições relacionadas à agricultura, agroindústria, indústria de insumos e equipamentos agropecuários, preservação e recuperação ambiental.

                    Dentro do Programa Brasil Mata Viva, o papel de terceira parte científica para as atividades é dado pelo convênio do Programa BMV com a FEPAF, que através do mesmo aporta cientistas e pesquisadores da UNESP no desenvolvimento de metodologias de trabalho e nas validações dos relatórios de estoques de biomassa e de conversão dos mesmos para Crédito de Floresta.  

                     

                    Top